abril 20, 2016

Dia do Índio: Ricardo inaugura obras e anuncia ações que beneficiam a população indígena.



O governador Ricardo Coutinho participou, nesta terça-feira (19), das atividades em comemoração ao Dia do Índio, na Aldeia São Francisco, em Baía da Traição. Na ocasião, ele assinou um Termo de Cooperação objetivando a restauração de quatro imagens sacras históricas para o povo potiguara, anunciou o curso pré-vestibular para indígenas, o PBVest, liberou créditos do Empreender  no valor de R$ 450 mil para 150 indígenas e entregou 30 mil alevinos (filhotes de peixes) e sementes de milho e de feijão. -
O PBVest será oferecido na Escola Estadual Pedro Potí, beneficiando 362 estudantes indígenas matriculados no 3º ano do Ensino Médio.Ainda na solenidade, o governador Ricardo Coutinho fez o lançamento do site do projeto Nas Trilhas Potiguaras. 
A ação fez parte da programação da Semana Indígena promovida com apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Mulher e da Diversidade Humana.Na aldeia, Ricardo acompanhou uma apresentação cultural e recebeu uma espécie de benção dos índios. “Este é um ato de afirmação da cidadania e do respeito ao povo indígena. Tenho muito orgulho desse povo, em especial os potiguaras, por isso colocamos as demandas dos índios nas políticas públicas do Governo do Estado. Fazemos o possível para atender as necessidades desta população. Trabalhamos para todas as etnias. Já realizamos diversas ações em favor dos índios e hoje anunciamos mais benefícios. Com as Trilhas Potiguaras, por exemplo, buscamos desenvolver o Litoral Norte, promovendo o turismo, mas sempre respeitando as singularidades locais. 

Temos um verdadeiro compromisso com o povo indígena”, ressaltou Ricardo Coutinho.O secretário Executivo de Turismo, Ivan Burity, enfatizou que a cultura indígena deve ser respeitada e valorizada por todos os paraibanos e destacou a importância do projeto Nas Trilhas dos Potiguaras nesse contexto. “A cultura do povo potiguara é incomparável e o Litoral Norte possui belezas naturais com imenso potencial turístico. O projeto Nas trilhas Potiguaras veio buscar o renascimento das tradições desse povo e o crescimento do turismo local. Com o site divulgaremos essa área para o mundo inteiro, trazendo desenvolvimento sustentável, geração de emprego e renda. 

O site: trilhasdospotiguaras.com.br será uma grande prestação de serviços para o turista que pretende conhecer a região”, disse. No site, há informações sobre o Litoral Norte do Estado, como a geografia e também a estrutura do trade turístico, como pousadas, bares e restaurantes e também características da região, a exemplo da gastronomia e informações sobre a história dos potiguaras. á o Termo de Cooperação Técnica, assinado durante a solenidade, estabelece condições de parceria entre o Governo do Estado e os Índios Potiguaras, bem como responsabilidades, com a finalidade de viabilizar a recuperação das imagens sacras pertencentes à Igreja de São Miguel Arcanjo de Baía da Traição. O Governo do Estado, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep) se compromete em realizar um projeto de restauração das imagens. Os Índios Potiguaras por sua vez, devem preservar as imagens.
ricardo leva beneficios no dia do indio_foto jose marques (2)
A secretária da Mulher e da Diversidade Humana, Gilberta Soares, destacou que as ações do Governo unem as secretarias para trazer diversos benefícios à população indígena. “Neste Dia do Índio, estamos concretizando a valorização da tradição do povo indígena, por meio de ações que mostram que o Governo tem compromisso com esta população. Temos hoje várias políticas públicas voltadas para o bem-estar e desenvolvimento da cultura dos potiguaras”, falou.
“Hoje é um dia de comemoração para nosso povo. A parceria com o Governo do Estado permite trazer mais desenvolvimento para os indígenas, sempre preservando a nossa cultura e tradições”, disse o cacique Sandro Barbosa.
O cacique Alcides Ciriaco agradeceu as ações feitas pelo Governo buscando trazer melhorias para os índios potiguaras. “Que esse patrimônio nosso seja sempre valorizado em todas as gerações, não somente neste dia. Hoje agradecemos a quem ajuda nosso povo e lembramos dos antepassados, da cultura e tradição indígena”, frisou.

Secom - PB

Temer assume presidêndia durante viagem de Dilma a Nova York

Dilma viajará na 5ª pela manhã, abrindo espaço para o vice-presidente Michel Temer assumir a Presidência da República interinamente


A presidente Dilma Rousseff decidiu confirmar sua participação na cerimônia de assinatura do Acordo de Paris em Nova York na 6ª feira. Segundo o blog de Fernando Rodrigues, Dilma viajará na 5ª pela manhã, abrindo espaço para o vice-presidente Michel Temer assumir a Presidência da República interinamente, até sábado (23).
Diante das movimentações do vice sobre a possibilidade de assumir o governo em caso de impeachment, havia dúvidas sobre a presença da presidente no evento. Nesta semana, Dilma chegou a chamar Temer de golpista e o acusou de conspirar contra seu governo.
Ela não foi a uma cúpula sobre segurança nuclear realizada em Washington no final de março. Nesta semana, faltou à Assembleia Geral da ONU Sobre Drogas na 2ª e cancelou a participação na cerimônia de acendimento da tocha Olímpica que será realizada depois de amanhã, 5ª feira, na Grécia.
Brasil 247

Couto compara apoiadores de Cunha e Temer a Judas e 'falso moralistas'

"Os falsos profetas, intitulados como os conhecedores e amigos de Deus, estão adorando dois bezerros de ouro chamados Eduardo Cunha e Michel Temer".

A indignação do deputado federal petista Luiz Couto (PT) em relação à aprovação do pedido de impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff, parece não cessar. De acordo com o parlamentar, a decisão da maioria da Câmara dos Deputados foi "imperdoável" e inflamada pela grande mídia que preferiu ignorar a verdadeira divisão da Nação.
"Os 367 votos demonstraram vergonhosa insensibilidade e um falso moralismo dos que deveriam agir como mandatários do povo, com relação à gravidade de um processo ilegal, inescrupuloso e totalmente eivado de interesses pessoais. É inadmissível ter-se chegado a esse ponto! V.Exas. estão jogando cidadãos contra cidadãos e encravando um punhal nas costas da democracia brasileira! V.Exas. não respeitam a vontade de todos os brasileiros e brasileiras!", disse Luiz Couto.
Ele analisou que o impeachment de Dilma, sem crime de responsabilidade, afronta a a segurança jurídica do voto e a credibilidade das instituições: "Não se pode apequenar a escolha de uma Presidenta da República legitimamente eleita e que não cometeu crime algum, sob pena de apequenarem-se os próprios cidadãos e cidadãs.
Cidadãos e cidadãs, brasileiros e brasileiras, não acreditem nas imagens transmitidas por uma televisão criminosa e antiética, como a Globo. Os falsos profetas de ontem, intitulados como os conhecedores e amigos de Deus, estão adorando dois bezerros de ouro chamados Eduardo Cunha e Michel Temer. Lembrem-se de que, nas escrituras sagradas, Judas andava com Jesus e era responsável pelas finanças e, ainda assim, o traiu por um saco de moedas de ouro".
Para Couto, o placar da Câmara só terá sua gravidade compreendida com o tempo. "A fama histórica e suja de golpistas, traíras e conspiradores não poderá ser retirada das páginas dos livros, das memórias das pessoas, das fotografias e dos registros históricos do dia em que os farsantes e os armadores de complô da vingança de classes e das vaidades ofendidas pregaram seu próprio ódio, suas torturas e intolerâncias ao famigerado povo brasileiro", previu.
O parlamentar lembrou a vontade do povo e disse que vozes das ruas representam o Brasil que pulsa e sangra por um dia melhor. Finalmente, ele citou trecho de artigo do jornalista Mino Carta: "A Casa Grande, como se sabe, não tem voto. Dá Golpe. E se valeram da armadilha regimental montada pelo corrupto Cunha. Essa é uma tragédia nacional sem tamanho, pois todos perdemos. Não é só a Presidenta Dilma ou o Lulopetismo, somos todos nós que perdemos. Esse é o pior golpe que o Brasil sofre", disse.
No encerramento de seu pronunciamento, Luiz Couto enfatizou que, apesar das adversidades, o Partido dos Trabalhadores não vai desistir de construir um Brasil justo e longe da corrupção e dos falsos moralistas.
Da Redação do wscom

PMDB indica Raimundo Lira para presidir a Comissão do Impeachment no Senado

Paraibano foi indicado pelo líder o PMDB no Senado Federal, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

O senador paraibano Raimundo Lira (PMDB) foi indicado pelo líder o PMDB no Senado  

Federal, Eunício Oliveira (PMDB-CE), para presidência da Comissão Especial que analisará o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), em tramitação naquela Casa Legislativa. A confirmação veio no início da tarde desta quarta-feira (20).

Já o relator indicado pelo PSDB é o senador Antonio Anastasia (MG).

Além de Raimundo Lira, a Comissão Especial do Impeachment conta com a participação de outros dois paraibanos, Cássio Cunha Lima (PSDB), pelo bloco da oposição (DEM, PSDB e PV) e Lindberh Farias, pelo bloco do PT e PDT.

Os partidos têm até sexta-feira para indicar seus representantes à Comissão e, a partir daí ,será definido o ritmo dos trabalhos. Os oposicionistas querem acelerar o processo e os governistas, retardar. Mas é consenso que o pedido de afastamento irá ser acolhido na Comissão e depois vai ao plenário, já que, para isso, é preciso maioria simples - a metade mais um votos.
No Senado, neste momento, todos fazem contas sobre os aliados do governo: a conta da oposição é que o governo pode contar com segurança com o voto de 21 senadores, número insuficiente para barrar a cassação do mandato da presidente Dilma se o julgamento fosse hoje.
Como o julgamento ocorre no prazo de até 180 dias depois do afastamento do cargo, os governistas dizem contar com o desgaste de Temer depois de assumir a presidência, diante da crise econômica e também do andamento da Operação Lava Jato, que vem atingindo nomes importantes do PMDB - a começar pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha.
Do WSCOM

abril 15, 2016

Ricardo mantém audiência com ministro da Fazenda, em Brasília


O governador Ricardo Coutinho manteve audiência, nesta quinta-feira (14), com o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, em Brasília, tratando da questão do alongamento da dívida do Estado com a União, bem como a agilização dos contratos de financiamento da Paraíba e revisão do Plano de Ajuste Fiscal, a fim de garantir o investimento em obras e, assim, sejam promovidos mais empregos, logística e infraestrutura para o Estado.
Na conversa com o ministro Nelson Barbosa, o governador Ricardo Coutinho disse que demonstrou sua preocupação com relação à liminar do Supremo Tribunal Federal (STF). “A União somos todos, não é apenas um governo, é o país todo, e quando muda o regime de cobrança de juros isso impacta em todo país e vai ter um resultado que pode levar a uma quebradeira e isso não interessa a ninguém, a nenhum estado”, comentou.
Ricardo ressaltou que defende a tese de que o STF comande uma mesa de acordo entre o Governo federal e os governadores para se discutir essa situação, “porque os estados têm dificuldade no pagamento da dívida e essa liminar é violenta e fora de qualquer realidade para que a União possa suportar, precisa ter um acordo”. Ele lembrou que mais uma vez o Congresso Nacional não votou o projeto encaminhado pelo Governo Federal para alongamento da dívida dos Estados. “Havia um acordo de todas lideranças das duas casas – Câmara e Senado – de que seria realizada uma votação emergencial e até hoje nada e os estados continuam sofrendo e nós precisamos mais do que nunca resolver isso”, observou.
O governador adiantou que o ministro Nelson Barbosa assumiu o compromisso de agilizar os contratos de financiamento da Paraíba dentro do atual espaço fiscal de R$ 112 milhões e a revisão do plano de ajuste fiscal, o “que nos dá mais R$ 1,3 bilhão que poderão ser investidos em obras, gerando mais empregos, desenvolvimento, logística, infraestrutura, porque é assim que se combate a crise. Não se combate a crise paralisando o país fazendo sabotagem, disputa política, mas tendo a capacidade de investir para gerar empregos perdidos e eu espero que nos próximos dias a gente leve isso adiante”.
Ricardo Coutinho enfatizou que a Paraíba, apesar da crise, está no seu melhor momento, com obras sendo realizadas com o pagamento ainda em dia, “mas não vamos suportar isso por muito tempo e o Brasil tem que reagir e a economia tem que reagir”
Infraero – O governador também esteve na Infraero onde foi informado da suspensão do fechamento do terminal de cargas. Ele adiantou que deverá haver uma discussão promovida pelo Governo do Estado em João Pessoa com entidades empresariais e a própria Infraero para que sejam encontradas alternativas que não prejudiquem o Estado e possam incentivar o transporte de caras pelo Aeroporto Castro Pinto.
Ele ainda solicitou a reforma do piso do Aeroporto Castro Pinto e o combustível de bandeira para o Aeroporto João Suassuna, em Campina Grande, cuja operação deverá ocorrer a partir de maio. “Os aviões serão abastecidos e isso é algo importante, incentiva o uso do aeroporto de Campina Grande”, disse.

Folha reconhece que Oposição não tem 342 votos para consolidar Impeachment

Faltando dois dias para a votação, jornal paulista reconhece nova realidade.

Manchete do site da Folha do início da noite desta sexta-feira (15) noticia que a oposição perde votos e não tem mais o quantitativo suficiente para aprovar o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Segundo o jornal, a oposição deixou de contar com dois votos a favor da abertura de processo: um deles é o da deputada federal Clarissa Garotinho (PR-RJ) que solicitou nesta sexta o início de sua licença-maternidade; o outro voto que deixou de apoiar o impedimento foi o do vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA).
Para que o processo seja encaminhado ao Senado, são necessários 342 favoráveis ao impedimento - independentemente da quantidade de deputados presentes no plenário no momento da votação.
Segundo o regimento da Câmara, o suplente só assume a cadeira quando o afastamento do titular é superior a 120 dias, que é o prazo da licença maternidade. Dessa forma, a vaga de Clarissa na votação de domingo não será ocupada por ninguém.
Mais cedo, o 247 noticiou que, de olho nas eleições municipais, mais de 50 deputados federais não votarão no domingo (17)
BRASIL247

BANCADA DA PARAÍBA SERÁ A 23ª A SER CHAMADA PARA VOTAR NO PROCESSO DE IMPEACHMENT NA CÂMARA FEDERAL

A bancada da Paraíba será a 23ª a ser chamada a votar no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, no domingo, caso o Supremo Tribunal Federal (STF) mantenha a sessão da Câmara Federal e não altere o critério de votação definido pelo Mesa da Casa.
De acordo com o critério aprovado pelo deputado Eduardo Cunha, a votação será alternada por bancadas de Estados da região Norte para a região Sul e vice-versa. Começa, então, por um Estado do Norte, vem depois para um do Estado da região Sul, segue com votação de deputados de outro Estado da região Sul e volta para um Estado da região Norte. Quando acabarem a votação das bancadas dos Estados do Sul, a alternância se dará entre Estados do Norte e do Centro Oeste e depois entre Estados do Sudeste e do Nordeste.
Por esta sequência de alternâncias, a bancada da Paraíba será a 23ª a ser chamada a votar, logo depois da bancada de Minas Gerais.
A primeira bancada a votar será a de Roraima. A última, a de Alagoas.
Os deputados governistas reclamam do critério de alternância definido pelo presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha. Alguns governistas defendem a votação por ordem alfabética. Outros já aceitam o critério da alternância entre Estados do Norte para o Sul, mas entendendo que a distribuição deveria ocorrer pela disposição geográfica, onde o Sul fosse à última região a votar.
Nas bancadas, o critério de votação será por ordem alfabética.
Confira, a seguir, a ordem de votação:
1. Roraima
2. Rio Grande do Sul
3. Santa Catarina
4. Amapá
5. Pará
6. Paraná
7. Mato Grosso do Sul
8. Amazonas
9. Rondônia
10. Goiás
11. Distrito Federal
12. Acre
13. Tocantins
14. Mato Grosso
15. São Paulo
16. Maranhão
17. Ceará
18. Rio de Janeiro
19. Espírito Santo
20. Piauí
21. Rio Grande do Norte
22. Minas Gerais
23. Paraíba
24. Pernambuco
25. Bahia
26. Sergipe
27. Alagoas
Autor: Josival Pereira
http://www.tambau247.com.br

abril 11, 2016

Por 38 a 27, comissão aprova parecer a favor do impeachment de Dilma

Parecer aprovado será encaminhado ao plenário da Câmara.

 A Comissão Especial do Impeachment da Câmara dos Deputados aprovou há pouco o parecer do relator Jovair Arantes (PTB-GO) pela admissibilidade da abertura do processo de afastamento da presidenta Dilma Rousseff. Foram 38 votos a favor e 27 contrários.
O parecer aprovado será encaminhado ao plenário da Câmara, onde será lido na sessão imediatamente após a votação. A leitura do relatório deve ocorrer amanhã (12) em sessão ordinária da Casa. Posteriormente, a peça será publicada no Diário Oficial da Câmara veiculado na próxima quarta-feira (13).
Após a publicação, 48 horas depois, o parecer entrará na pauta de votações da Câmara, como primeiro item a ser discutido e votado. A previsão, até o momento, é que a discussão seja iniciada na próxima sexta-feira (15). A votação em si deve ocorrer no próximo domingo (17).
Para ser aprovado, serão necessários os votos de dois terços dos deputados, ou seja, 342, dos 513 parlamentares. Se aprovado, o parecer será encaminhado ao Senado, que analisará a admissibilidade do processo em sessão plenária. Se o relatório não obtiver os 342 votos na Câmara, a denúncia será arquivada.    
 Agência Brasil

Entenda o processo de impeachment: como está agora e o depois.

Cientista político José Henrique Artigas vê momento ainda indefinido para votação na Câmara.

Por Jhonattan Rodrigues
Apesar da proximidade da data da votação que decidirá se a Câmara acatará ou não o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rouseff - a estimativa é para dia 15 - parte dos parlamentares ainda permanece indecisa sobre qual lado se posicionar. Segundo pesquisa feita pelo Estadão com 412 dos 513 deputados, 261 se manifestam a favor e 117 contra. Os restantes não quiseram se manifestar, estavam indecisos ou não foram achados. Para que o processo seja aceito, será necessário dois terços do plenário – ou seja, 342 votos - e para seu arquivamento, 171 votos. Aparentemente a situação se manterá indeterminada até o dia da votação.
Segundo José Henrique Artigas, professor de ciências sociais da UFPB, os pequenos partidos, como PR e PP é que irão decidir o resultado da votação. Para Artigas, esses partidos “ficarão ao lado da maioria”. Por isso tanto o governo quanto a oposição buscam apoio entre eles, mas dificilmente estes partidos tomarão alguma decisão agora. Enquanto a situação se mantiver equilibrada, eles se manterão em cima do muro. Além disso, com um quadro tão delicado e volátil, é possível que haja reviravoltas até o dia da votação e alguns parlamentares que votaram a favor ou contra mudem de lado.
O recente rompimento do PMDB com o governo Dilma é um fator que provavelmente venha causar algumas destas reviravoltas. Segundo Artigas, a decisão, que deveria ser uma última pá de terra para o governo petista, pode ter gerado um efeito reverso, na realidade. A ideia seria que o PMDB fosse um representante forte à favor do impeachment e que resolvesse o impasse político conseguindo aliados. Porém, o partido encontra-se dividido e com uma crise interna que pode acabar por afastar parlamentares indecisos. O que eles acreditavam ser “a última tacada acabou por ser um tiro pela culatra”.
Pós-impeachment
Para Artigas as acusações contra Dilma não são o suficiente para dar início a um processo de impeachment. Os que estão a favor do fim do mandato da presidente afirmam que seria impossível tantos escândalos de corrupção sem que ao menos ela tivesse conhecimento. Entretanto, a própria não está sendo investigada, nem acusada diretamente em nenhum dos casos. A acusação mais forte contra a presidente são as chamadas pedaladas fiscais. Prática, entretanto, comum nas diversas instâncias políticas do país. Caso o processo de impeachment seja aceito e executado sustentando-se nessa acusação, isso acarretaria um efeito dominó na política brasileira. Na fala de Artigas, pelo menos 16 governadores seriam cassados junto com alguns milhares de prefeitos.
Desde o início do segundo mandato de Dilma, os partidos da oposição vem trabalhando intensamente na tentativa de desestabilizar as bases do governo, na tentativa de talvez assumir o poder. Com apoio da mídia, conseguiram forte apelo entre as camadas mais ricas da sociedade, mas aparentemente ignoram o estado de confusão generalizada para qual o país se encaminha.
Se a situação parece caótica no momento, inclusive com jornais de diversos países afirmando que a política brasileira está mais interessante que a série televisiva House Of Cards, o cenário que se estabeleceria caso o cargo da presidente fosse realmente cassado não tenderia a melhorar. Pelo menos três dos nomes na linha de sucessão da presidência (Temer, Cunha e Renan Calheiros) aparecem na lista de acusados da lava jato, o que, obviamente, os impede de assumir o cargo. O quarto na linha seria Ricardo Lewandowski, que assumiria apenas enquanto abre-se processo para novas eleições diretas.
Aparentemente a oposição acredita que, com a posse de Temer, a situação do país se estabilizará e os julgamentos por corrupção serão abafados. Mas a visão de um país calmo após uma ebulição tão forte vai se tornando cada vez mais distante. Com parte da população encarando o processo como um golpe, os ânimos se acirrariam e a movimentação da base petista e aliada aumentaria, se contrapondo a um governo que considerariam eleito ilegitimamente.
Para Artigas a melhor chance do país recuperar um quadro mais tranquilo seria com a presidente se mantendo no cargo. O PT sairia mais forte do impasse e a presidente teria espaço para trabalhar com mais liberdade. Entretanto, é impossível prever os desdobramentos e o rumo que essa história vai tomar, seja até 2018, seja para amanhã. Até o fim do mês a Câmara decidirá se prossegue ou não com o processo de impeachment. Seja qual for o resultado, a perspectiva não é muito favorável.
 
WSCOM Online com Revista Nordeste

abril 05, 2016

Ricardo participa da Feira Intermodal South America, em São Paulo -

O governador Ricardo Coutinho participou, nesta terça-feira (5), da Feira Internacional Intermodal South America, que acontece até quinta-feira (7) no Centro de Convenções, Transamerica Expor Center, em São Paulo. O evento é considerado o maior das Américas para os setores de logísticas, transporte de cargas e comércio exterior. Em paralelo ao Intermodal, ocorre também no mesmo local o InfraPortos, voltado para tecnologia e equipamentos para armazéns, terminais e portos.
Na Intermodal, o Governo do Estado, por meio do Porto de Cabedelo, montou um stand de 30m² para apresentar os atrativos do porto paraibano e buscar novos negócios. O porto possui cais de 602 metros de extensão, Calado de 9.13 metros homologados pela marinha, todavia possui 90% dos 8 km de canal de acesso com 11 metros, restando dragar apenas um pequeno trecho, silagem para 35.000 toneladas de grãos, 14.000m² de
armazéns cobertos e 18.000m² de pátios.

  Durante a solenidade oficial de abertura do Intermodal 2016, o governador Ricardo Coutinho ressaltou que o evento representa a interligação de setores que visam a evolução da área de transporte de cargas. “É uma satisfação para a Paraíba participar mais uma vez desse evento, através da Companhia Docas. Estamos situados em um espaço estratégico no Nordeste e é preciso saber usar o nosso porto de forma adequada e inteligente. Mais uma etapa da modernização do Porto de Cabedelo será feita em breve, através de convênio com o Governo Federal, para renovação da sinalização náutica do canal, dando mais eficiência e agilidade ao trabalho no local, aumentando também nossa lucratividade em cerca de 10%. Este evento se destaca por reunir representantes dos diversos modais buscando o desenvolvimento de todas as áreas”, enfatizou

Ricardo ainda lembrou que o aprimoramento da malha rodoviária da Paraíba também contribui para o escoamento da produção. “Poucos Estados do Brasil têm conseguido fazer um investimento deste porte em logística, através de estradas. No Estado, nós já entregamos mais de 1.600 quilômetros e vamos concluir o restante, o que é importante porque, através de Cabedelo, se acessa outras cidades e Estados e a qualidade das estradas facilita essa movimentação”, observou o governador.
Para o ministro dos Portos, Helder Barbalho, o fato de o Brasil sediar este evento mostra o protagonismo do país na área. “Temos a oportunidade de mostrar o nosso protagonismo em relação à área de logística, transporte de cargas e comércio exterior. Estamos aqui operando oportunidades de negócios e indo na contramão da crise econômica. É muito importante darmos condições para o escoamento da produção, seja através do setor rodoviário, aquaviário, portuários, entre outros. Continuaremos a aprimorar os meios que proporcionem o crescimento deste setor”, ressaltou Helder Barbalho.
A diretora presidente da Companhia Docas da Paraíba, Gilmara Temóteo, destacou que o Porto de Cabedelo, devido à posição privilegiada e integração dos modais marítimo, ferroviário e rodoviário, constituí-se como boa opção logística da região Nordeste. “Pelo sexto ano consecutivo, a Companhia Docas participa desta feira. Hoje tivemos a formalização do convênio para a renovação da sinalização náutica do Porto de Cabedelo, o que trará mais desenvolvimento à Paraíba. Estamos aqui para discutir parcerias e fechar excelentes negócios através da Intermodal. Nossa estrutura competitiva é símbolo de baixos custos e mão-de-obra qualificada”, comentou.
“Mais de 60 marcas de 25 países estão reunidos nesta edição da Intermodal. A feira já existe há 22 anos e representa o elo da cadeia logística, buscando atender com menor custo e mais eficiência a demanda do mercado nesta área”, concluiu o presidente da UBM no Brasil, organizadora do evento, Jean François.