julho 25, 2013

Papa Francisco abençoa Oscar e recebe camisa do Flamengo de Zico

Em evento em que abençoou as bandeiras olímpicas e paralímpicas, Papa tem encontros emocionantes com personalidades do esporte brasileiro.


Oscar Schmidt viveu um dia especial. Na luta contra o câncer no cérebro, o maior jogador brasileiro de basquete se ajoelhou e pediu a bênção do Papa Francisco. E a mão santa do pontífice parou na cabeça do Mão Santa brasileiro. O momento emocionou todos que estavam em volta. Fabi, estrela do vôlei brasileiro, chorou. O encontro aconteceu durante um evento realizado sob chuva no jardim do Palácio da Cidade, em Botafogo, no Rio de Janeiro, quando o Papa Francisco conheceu personalidades esportistas brasileiras e abençoou as bandeiras olímpica e paralímpica.
No encontro com o Papa, Oscar se emocionou. Disse para quem estava ao lado que era o momento mais especial da sua vida: "se não me curar agora, não me curo mais", chegou a falar. Minutos mais tarde, o Mão Santa participou por telefone do Encontro com a Fátima, programa da TV Globo, e chorando falou sobre o momento:
- Ele pode abençoar, mas quem cura é sua fé. E agradeço muito a oportunidade que tive (...) Foi a maior emoção da minha vida. Eu apertei a mão do Papa. Essa é uma coisa incrível, que aconteceu na minha vida. Eu posso falar para você que se não curar agora não vai curar nunca mais. Nunca pensei que eu fosse gostar tanto de um argentino. Esse cara é demais. É o Papa Chico que o mundo inteiro ama - disse Oscar Schmidt, que em abril passou por uma operação no hospital Sírio-Libanês.
 Das mãos de Zico, o Papa recebeu também uma camisa do Flamengo. O Galinho ficou cerca de 30 segundos ao lado do pontífice. O maior ídolo rubro-negro entregou ao pontífice uma camisa do clube com o nome Papa Francisco. Ela não tinha nenhum patrocinador. Ao Papa, Zico explicou que era a camisa do clube que jogou durante toda a carreira e amava.
- Encontrei há pouco com o Papa. Momento emocionante. E dei a ele uma camisa do Fla enviada pela presidência - escreveu Zico em seu site oficial.
O encontro com o coordenador técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, foi mais longo e animado. O tetracampeão do mundo mostrou muito bom humor e brincou com a nacionalidade e o carinho do papa com o futebol.
- Deus não é brasileiro? É questão de hierarquia. Ele vai precisar resolver esse problema. Papa é Papa e não tem nacionalidade. Mas vamos rezar para uma final entre Brasil e Argentina em 2014. Penso que o Brasil tem condições, e a Argentina tem um grande time. Uma final sul-americana cairia muito bem. Eles têm o melhor do mundo, que é o Messi - disse o tetracampeão, abrindo um largo sorriso.
Entre os convidados também estavam Lars Gral, Bárbara Leôncio, a judoca Karla Cardoso, o jogador Elano, Marcelinho Machado, o ponta Riad, a líbero Fabi, a central Fabiana, que foram prontamente liberadas pelo técnico José Roberto Guimarães do treino da manhã seleção de vôlei, que se prepara no CT de Saquarema para a disputa do Grand Prix.
- O carisma do Papa me impressionou desde que ele foi escolhido. Ele está no nosso país e falando a nossa língua, quebrando protocolos. Viemos aqui pegar um pouco da bênção dele e levar para as nossas companheiras. Vai ser importante para a cidade e para o país já que vamos sediar a Copa e os Jogos Olímpicos - disse Fabi.
No total, foram 600 convidados. Ele também recebeu a chave da cidade das mãos do prefeito Eduardo Paes.
- É um momento especial receber o Papa. Ele é uma pessoa especial - disse o Prefeito Eduardo Paes.
Papa comenta encontro pelo Twitter
Pelo Twitter, o Papa Francisco comentou o encontro com as personalidades do esporte brasileiro:
- Que o esporte seja sempre instrumento de intercâmbio e crescimento e nunca de violência nem de ódio. #Rio2013 #JMJ - escreveu.
Depois do evento, o Papa deu continuidade à sua agenda na Jornada Mundial da Juventude, e seguiu para uma visita à comunidade de Varginha, em Manguinhos.
GE

Nenhum comentário:

Postar um comentário