abril 18, 2013

MD terá Lídia Moura na presidência da Paraíba e Major Fábio como pré-candidato ao Governo

Novo partido nasce da fusão PPS/PMN, oficializada em congresso extraordinário, em Brasília; no Estado, caberá ao dirigente do PMN comandar a nova legenda.

Major fábio


O PPS e o PMN oficializaram nesta quarta-feira (17), em ato político conjunto, a fusão dos dois partidos, que agora passam a se chamar Mobilização Democrática (MD). A decisão foi tomada em congressos extraordinários, realizados em Brasília. Na Paraíba, o novo partido será presidido por Lídia Moura (egressa do PMN). O deputado federal Major Fábio (atualmente no DEM) já aceitou o convite para se filiar à nova legenda e colocou seu nome à disposição para uma pré-candidatura própria ao Governo do Estado em 2014.
Major Fábio disse que já estava postulando um novo partido, onde possa lançar sua pré-candidatura. "Aceitei o convite. Estou esperando apenas o registro do novo partido para me filiar", disse Major Fábio, por telefone.
Mobilização Democrática nasce na oposição ao Governo Federal e já trabalha para a construção de um projeto alternativo para o Brasil em 2014. Juntas, as duas forças políticas somam 13 deputados federais, 58 estaduais, 147 prefeitos e 2.527 vereadores. Em todo o Brasil são 683.420 filiados.
A ascensão de Lídia Moura na presidência do MD na Paraíba surpreendeu. O jornalista Nonato Bandeira (PPS) era cotado para direção da legenda. A deputada estadual Gilma Germano, atual presidente do PPS, disse que estaria fora do novo partido se ele fosse de oposição ao Governo Ricardo Coutinho. A nova direção deve seguir esse caminho.
A assessoria de Lidia Moura explicou que a direção nacional do PMN não abriu mão de ficar com o comando do MD em 12 estados, incluindo a Paraíba. Outro ponto que teria pesado contra Nonato Bandeira seria o fato dele ser vice-prefeito de João Pessoa, cidade comandada pelo PT, partido para o qual o MD surgiu para fazer oposição em nível nacional.
O presidente da Mobilização Democrática, eleito por unanimidade, será o deputado federal Roberto Freire (SP), que comandava o PPS. A vice-presidência do partido será ocupada por Telma Ribeiro, ex-presidente em exercício do PMN. Já a secretaria geral da legenda fica com o deputado federal Rubens Bueno (PR), que libera também a bancada da MD. A secretaria executiva será exercida por Telma Zaira. Já o tesoureiro será Lucas Albano, oriundo do PMN. Regis Cavalcante, do PPS, ocupa o posto de 1º tesoureiro.
O diretório será composto por 125 titulares e 55 suplentes. Ficam em aberto 24 vagas de titulares e 22 de suplentes para que sejam preenchidas por lideranças que eventualmente vierem integrar a nova força política.
Confira manifesto e programa do novo partido

Para Freire, a MD vai ampliar a capilaridade do PPS e do PMN. Na avaliação dele, o surgimento do novo partido preocupa o governo e seus aliados. “O governo deve ter mais informações do que nós sobre o que esta fusão pode render porque está aperreado; o governo está muito aperreado”, disse Freire antes da votação do programa, do estatuto e do manifesto da MD. Segundo ele, o Planalto não esperava que PPS e PMN se fundissem abrindo uma janela apara abrigar descontentes de partidos de oposição e até da base.

Roberto Freire comparou com o Pacote de Abril, da ditadura militar, a manobra do governo para impedir que deputados que migrarem para novos partidos levem consigo o tempo de TV e o fundo partidário. Ele disse que, naquela época a oposição reagiu rapidamente. “Tancredo voltou para o PMDB do doutor Ulysses, o PDT de Brizola só lançou candidato onde tinha possibilidade de ganhar. Temos essa história a nos nortear e precisamos da fusão para unir forças para 2014”.  

Reforços

O secretário-geral da MD e líder do partido na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR), disse que o PT e o governo não impedirão, de nenhuma maneira, o surgimento de novas forças políticas no país. “Esse governo não vai ganhar a eleição de 2014 por WO. Com esse novo partido a oposição se fortalece para 2014”. Sobre os reforços que o novo partido vai ganhar, com a possível adesão de parlamentares e prefeitos, Bueno disse que as manifestações de interesse são surpreendentes. “De hoje para amanhã teremos boas novidades. A porta está aberta para todos aqueles que tenham uma sintonia fina com essa linha de oposição”, disse Bueno.

Já a vice-presidente da MD, Telma Ribeiro, afirmou que o trabalho dela nessa nova força política será dedicado a mobilização do partido em todo o país. "Meu trabalho será o trabalho de formiguinha. A parte de articulação política fica com o Roberto Freire", disse.

Logo após a oficialização da fusão, os dirigentes da MD partiram para o registro do partido em cartório, munidos de toda a documentação necessária.

Participaram dos congressos de fusão mais de 100 delegados de todos os estados e do Distrito Federal, além dos deputados federais do novo partido.

do portal correio

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário