MD terá Lídia Moura na presidência da Paraíba e Major Fábio como pré-candidato ao Governo

Novo partido nasce da fusão PPS/PMN, oficializada em congresso extraordinário, em Brasília; no Estado, caberá ao dirigente do PMN comandar a nova legenda.

Major fábio


O PPS e o PMN oficializaram nesta quarta-feira (17), em ato político conjunto, a fusão dos dois partidos, que agora passam a se chamar Mobilização Democrática (MD). A decisão foi tomada em congressos extraordinários, realizados em Brasília. Na Paraíba, o novo partido será presidido por Lídia Moura (egressa do PMN). O deputado federal Major Fábio (atualmente no DEM) já aceitou o convite para se filiar à nova legenda e colocou seu nome à disposição para uma pré-candidatura própria ao Governo do Estado em 2014.
Major Fábio disse que já estava postulando um novo partido, onde possa lançar sua pré-candidatura. "Aceitei o convite. Estou esperando apenas o registro do novo partido para me filiar", disse Major Fábio, por telefone.
Mobilização Democrática nasce na oposição ao Governo Federal e já trabalha para a construção de um projeto alternativo para o Brasil em 2014. Juntas, as duas forças políticas somam 13 deputados federais, 58 estaduais, 147 prefeitos e 2.527 vereadores. Em todo o Brasil são 683.420 filiados.
A ascensão de Lídia Moura na presidência do MD na Paraíba surpreendeu. O jornalista Nonato Bandeira (PPS) era cotado para direção da legenda. A deputada estadual Gilma Germano, atual presidente do PPS, disse que estaria fora do novo partido se ele fosse de oposição ao Governo Ricardo Coutinho. A nova direção deve seguir esse caminho.
A assessoria de Lidia Moura explicou que a direção nacional do PMN não abriu mão de ficar com o comando do MD em 12 estados, incluindo a Paraíba. Outro ponto que teria pesado contra Nonato Bandeira seria o fato dele ser vice-prefeito de João Pessoa, cidade comandada pelo PT, partido para o qual o MD surgiu para fazer oposição em nível nacional.
O presidente da Mobilização Democrática, eleito por unanimidade, será o deputado federal Roberto Freire (SP), que comandava o PPS. A vice-presidência do partido será ocupada por Telma Ribeiro, ex-presidente em exercício do PMN. Já a secretaria geral da legenda fica com o deputado federal Rubens Bueno (PR), que libera também a bancada da MD. A secretaria executiva será exercida por Telma Zaira. Já o tesoureiro será Lucas Albano, oriundo do PMN. Regis Cavalcante, do PPS, ocupa o posto de 1º tesoureiro.
O diretório será composto por 125 titulares e 55 suplentes. Ficam em aberto 24 vagas de titulares e 22 de suplentes para que sejam preenchidas por lideranças que eventualmente vierem integrar a nova força política.
Confira manifesto e programa do novo partido

Para Freire, a MD vai ampliar a capilaridade do PPS e do PMN. Na avaliação dele, o surgimento do novo partido preocupa o governo e seus aliados. “O governo deve ter mais informações do que nós sobre o que esta fusão pode render porque está aperreado; o governo está muito aperreado”, disse Freire antes da votação do programa, do estatuto e do manifesto da MD. Segundo ele, o Planalto não esperava que PPS e PMN se fundissem abrindo uma janela apara abrigar descontentes de partidos de oposição e até da base.

Roberto Freire comparou com o Pacote de Abril, da ditadura militar, a manobra do governo para impedir que deputados que migrarem para novos partidos levem consigo o tempo de TV e o fundo partidário. Ele disse que, naquela época a oposição reagiu rapidamente. “Tancredo voltou para o PMDB do doutor Ulysses, o PDT de Brizola só lançou candidato onde tinha possibilidade de ganhar. Temos essa história a nos nortear e precisamos da fusão para unir forças para 2014”.  

Reforços

O secretário-geral da MD e líder do partido na Câmara, deputado federal Rubens Bueno (PR), disse que o PT e o governo não impedirão, de nenhuma maneira, o surgimento de novas forças políticas no país. “Esse governo não vai ganhar a eleição de 2014 por WO. Com esse novo partido a oposição se fortalece para 2014”. Sobre os reforços que o novo partido vai ganhar, com a possível adesão de parlamentares e prefeitos, Bueno disse que as manifestações de interesse são surpreendentes. “De hoje para amanhã teremos boas novidades. A porta está aberta para todos aqueles que tenham uma sintonia fina com essa linha de oposição”, disse Bueno.

Já a vice-presidente da MD, Telma Ribeiro, afirmou que o trabalho dela nessa nova força política será dedicado a mobilização do partido em todo o país. "Meu trabalho será o trabalho de formiguinha. A parte de articulação política fica com o Roberto Freire", disse.

Logo após a oficialização da fusão, os dirigentes da MD partiram para o registro do partido em cartório, munidos de toda a documentação necessária.

Participaram dos congressos de fusão mais de 100 delegados de todos os estados e do Distrito Federal, além dos deputados federais do novo partido.

do portal correio

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parlamento terá dia especial no Fórum Mundial da Água

População de Nova Floresta lamenta o falecimento do ex- vereador João Bolinha.

Wilson Santiago e Wilson Filho são recebidos por lideranças politicas em Ingá