janeiro 18, 2013

Após repercussão nacional, MP solicita ao TCE relatório das contas da Granja Santana

Solicitação foi feita pelo promotor Rodrigo Pires de Sá, da Curadoria de Defesa do Patrimônio

Após as denúncias de supostos gastos execessivos na Granja Santana, denunciado pela revista IstoÉ, o mInistério Público Estadual (MPPB) deciudiu entrar no caso, com o promotor Rodrigo Pires de Sá (foto), da Curadoria de Defesa do Patrimônio, solicitando, via ofício, que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) forneça cópia da auditoria realizada nas contas da Granja, além da defesa apresentada pelo secretário Lúcio Flávio (Casa Civil).

“Diante das informações publicadas pela Imprensa, especialmente através de sites e blog, nós coletamos todo esse material, imprimimos e decidimos dar início a um procedimento preparatório”, revelou o promotor. Além de oficiar o TCE, o promotor também requereu cópia da defesa apresentada por Lúcio Flávio, “para que os técnicos do Ministério Público possam dar seu parecer”.

“O problema é que, até agora, pelo que sabemos, através do noticiário da Imprensa, inclusive este mais recente da revista IstoÉ, só alguns jornalistas tiveram acesso a essa auditoria realizada por auditores do TCE, mas o Ministério Público, ainda não. Então, precisamos inicialmente ter acesso a esse material, para que possamos dar início às investigações”, acrescentou o promotor.

Segundo o promotor, após analisar toda “essa documentação, o MP vai convocar o secretário da Casa Civil, ordenador das despesas, para que apresente também documentos e sua defesa perante o Ministério Público”. Paralelamente, outros documentos e provas poderão ser obtidos pelo Ministério Público para embasar a investigação formal da denúncia de gastança na Granja Santana.

Na semana passada, a revista IstoÉ trouxe extensa reportagem sob o título: “A primeira-dama e o ‘maridão’ – A ex-modelo Pâmela Bório e o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, cultivam um estilo de vida extravagante. Mas quem paga a conta é o contribuinte”. A matéria, noticia as "extravagâncias" da primeira-dama, supostamente com recursos públicos.
wscom

Nenhum comentário:

Postar um comentário