novembro 21, 2012

Governo do Estado financia distribuição de ração animal para combater efeitos da seca

O Governo do Estado, por meio da Empresa Paraibana de Abastecimento e Serviços Agrícolas (Empasa), está financiando a distribuição de ração animal pela metade do preço de mercado, com objetivo de auxiliar a preservação das culturas nas regiões mais atingidas pela seca. O Programa Emergencial de Manutenção do Rebanho já recebeu cerca R$ 7 milhões em investimentos e beneficiou mais de 2.800 pequenos produtores, que dependem especificamente dessas atividades para garantir o sustento familiar.
“Essa iniciativa é muito importante para garantir o suporte alimentar dos animais nas comunidades mais afetadas pelos efeitos da estiagem. A Empasa tem atuado como reguladora de mercado assim como a Conab faz na esfera federal, forçando o segmento a não inflacionar esses produtos e gerando o subsídio necessário para o pequeno produtor”, destacou o diretor-presidente da Empasa, José Tavares Sobrinho.
Os produtos que estão sendo viabilizados através do programa são a torta de algodão, que atualmente é vendida a R$ 30,00 a saca com 50 kg, o farelo de soja por R$ 40,00 a saca com 50 kg, além da silagem de milho e sorgo, que estão sendo repassados por R$0,30 cada kg.
As negociações são realizadas através do cadastro de produtores da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), para agilizar o processo e fazer com que esses subsídios cheguem mais rápido aos criadores.
As ações recebem o suporte do Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza no Estado da Paraíba (Funcep) e estão sendo comercializadas estrategicamente nas cidades de Campina Grande, Monteiro, Patos, Catolé do Rocha, Itaporanga, Pombal, Sousa, e Cajazeiras. O município de Picuí também irá receber, a partir da próxima semana, o mais novo ponto de venda das rações.
O Governo também está promovendo a distribuição gratuita de rações, através da Secretaria de Infra-Estrutura, e também já beneficiou mais de 30 mil famílias em todo Estado.
Produção da Ração – As rações produzidas com a silagem de milho e o sorgo estão sendo adquiridas pelo programa nos municípios de Mulungu e Sousa, através de processo licitatório.  A torta de algodão vem da Bahia e do Mato Grosso, mas é processada em uma indústria no município de São Mamede, reativada recentemente, gerando novos empregos e ampliado a distribuição de renda na Região.

assessoria secom

Nenhum comentário:

Postar um comentário