fevereiro 27, 2010

Na posse de Rodrigo Soares, Maranhão é aplaudido de pé por militância numa demonstração de que a aliança PMDB-PT continua sólida





Militantes ou não, quem foi a posse do deputado estadual Rodrigo Soares, nesta sexta-feira (26) à noite, na presidência do Partido dos Trabalhadores na Paraíba, saiu com duas impressões: o PT continua firme no propósito de manter a aliança com o PMDB e qualquer possibilidade de composição com o DEM e o PSDB, está descartada. A solenidade de posse foi realizada no pátio da sede do Serviço Social do Comércio (Sesc-PB), no Centro de João Pessoa.
Em território petista, o governador José Maranhão (PMDB) foi recebido com um abraço de Rodrigo, aclamado pela militância e aplaudido de pé em uma demonstração de sintonia da aliança que vem desde a primeira eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O governador sentou a mesa ao lado de Rodrigo e do vice-governador Luciano Cartaxo. Na mesa ainda, o presidente estadual do PCdoB, Agamenon Sarinho.
“Rodrigo tem sido uma revelação não como parlamentar, mas como político. Eu creio que os petistas votaram em Rodrigo pela chama pessoal. Eu o conhecia desde menino, mas não o conhecia como político. Posso dizer que o resultado foi melhor que a encomenda”, ressaltou Maranhão. A Rodrigo, Maranhão afirmou que o deputado-dirigente tem um companheiro de luta e destacou a democracia interna do partido. Ele disse esperar, dessa aliança, uma grande vitória.
“As forças de sustentação do governo estão cada vez mais consolidadas, mais fortes e aprova disso foi a vitória de Rodrigo (na presidência do PT estadual). Nós estamos juntos, lutando pelos mesmos princípios e defendendo as mesmas bandeiras”, reiterou o governador. Ao ser questionado mais uma vez sobre a possibilidade de o PT permanecer na vaga de vice na chapa deste ano, Maranhão afirmou que todos os partidos têm todo o direito de participar da chapa, até que ela seja oficialmente formada, inclusive, na condição de vice.
“Nós assumimos, ano passado, ao lado do governador José Maranhão, a tarefa de reconstruir o Estado, de recobrar o desenvolvimento em sintonia com o projeto nacional de Lula”, disse Rodrigo Soares. Para ele, a grande tarefa a frente do PT, este ano, é construir a unidade das forças democráticas e populares e combater os reais adversários do projeto nacional do partido: os democratas e o PSDB.
“Os democratas diziam que iam acabar com a nossa ‘raça’, mas foram eles que tiveram de mudar de nome. O PSDB é outro adversário, que junto com o DEM, passou seis anos governando a Paraíba, e acabou com o Estado. Foram cassados por corrupção eleitoral”, destacou o dirigente estadual do PT. O grande desafio do partido, disse Rodrigo, é eleger Dilma Rousseff presidente do Brasil.
Maranhão disse ser daqueles que acreditam no talento das pessoas e não poupou elogios ao presidente Lula, a quem chamou de “o iluminado”. E justificou: “Se a história atual está demonstrando isso, a história futura vai mostrar muito mais. O Brasil já estava mal acostumado com o neoliberalismo, que dizia que o progresso social vinha depois. Lula contrariou isso e mostrou que o progresso econômico e o progresso social podem caminhar juntos. Por isso é que nós temos um Brasil novo, que está acreditando no futuro”.
Wilmar Lacerda, membro da Comissão de Ética e Disciplina do Diretório Nacional do PT, veio a Paraíba participar da posse de Rodrigo Soares, representando o presidente nacional da legenda, José Eduardo Dutra. Ele foi claro ao dizer que a aliança com o PMDB é estratégica, possibilita governabilidade e estabilidade.
Ele defendeu claramente a manutenção da aliança entre PMDB e PT na Paraíba, a exemplo de Ricardo Berzoini, em entrevista recente. “Assim como o PMDB vai indicar o vice na chapa de Dilma Rousseff, nós queremos a continuidade desse projeto aqui na Paraíba”, ressaltou Wilmar Lacerda, que se dirigiu a Maranhão como “o governador mais popular da Paraíba com o apoio do PT, que faz obras e executa”.
O governador declarou que a aliança entre os dois partidos “tem muita vida pela frente e vai mostrar a que veio”. Ressaltou que os paraibanos saberão reconhecer que essa união fará o melhor pelo Estado. Maranhão também rasgou elogios ao ex-presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, a quem taxou de leal e amigo. “Um homem pode ter todos os talentos que um bom político possa ter, mas se ele não tiver lealdade, ele não presta para o povo”, destacou.
Ele aproveitou para mandar um recado aos “companheiros” do PT: “Esse governo tem apreço, tem respeito e espírito de companheirismo com o PT e é isso que eu quero repetir aqui: os compromissos com o PT, que começam com o apoio fechado a candidatura de Dilma Rousseff. Não apenas pela qualidade da ministra, que já seriam suficientes mas, sobretudo, porque Dilma representa o compromisso com a continuidade de um governo popular e democrático”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário