Lúcia Braga lançou ‘A Casa da Palmeira’ nesta quinta


A ex-deputada Lúcia Braga (PMDB), atual presidente da Fundação de Ação Comunitária (Fac), lançou mais um livro, “A Casa da Palmeira”, às 17h desta quinta-feira, 17, no Salão Nobre do Tribunal de Justiça da Paraíba. A apresentação é da pesquisadora Yolanda Fernandes, amiga de infância de Braga, e a orelha é do jornalista e escritor Gonzaga Rodrigues.

A obra narra passagens da infância e adolescência da autora, com abordagens que incluem destacados membros do tronco familiar, bem como fatos histórico-sociais que remetem à chamada Revolução de 30, cujo principal personagem é o Desembargador Vasco de Toledo, avô de Lúcia.

“A Casa da Palmeira” retrata, de forma minudente, todo o processo de formação sócio-cultural e política de Lúcia Braga, sem sequer descuidar de suas peraltices de criança e adolescente – tempo em que, por exemplo, freqüentava, com colegas, o sonoro e divertido auditório da Rádio Tabajara, que, à época, e até começos dos anos 80, funcionava quase que esquina com a casa em que nasceu, que hoje empresta nome ao livro que se lança, e que é denominada de rua Rodrigues de Aquino.

Nesse histórico casarão, nasceu a autora do livro, que de lá só saiu no dia em se casou com o deputado federal e ex-governador da Paraíba Wilson Braga, com quem a deputada se entendera, inclusive, no plano político. Ambos tiveram efetiva e destacada participação na vanguarda política dos idos de 50, através da União Nacional dos Estudantes (Une), cuja visibilidade conferiu-lhes posições de destaque no amálgama político estadual e nacional – os dois foram deputados estaduais e federais ( e Wilson, além de prefeito, foi vereador de João Pessoa, demonstrando, naturalmente, a principal característica de político: a simplicidade).

A obra em epígrafe é uma continuidade do livro em que a autoria narra, com igual percuciência e acuidade, embora ela faça questão de não se considerar como escritora, a história de suas lutas sociais e políticas, que é denominado de “Tempo de viver, tempo de contar”. É autora, também, de um trabalho intimista, cujo foco de inspiração foi o acidente automobilístico que afetou, drasticamente, a filha Patrícia, que é irmã de Marcelo (in memoriam) e Mariana Navarro Braga. Nesse livro, D. Lúcia mereceu especial distinção do filósofo paraibana, já falecido, Francisco Pereira Nóbrega.

TRIBUTO À HISTORIOGRAFIA

Embora não concorde, a autora, “A Casa da Palmeira”, antes mesmo de ser lançado, caiu às mãos de alguns intelectuais da Paraíba, que consideram que o livro será tributário da historiografia estadual, posto que revela fatos até aqui pouco conhecidos dos estudiosos do tema – como, por exemplo, a perseguição de que fôra vítima o Desembargador Toledo, como era chamado o velho patriarca, pelo Governo do Presidente João Pessoa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parlamento terá dia especial no Fórum Mundial da Água

CNM convoca gestores para mobilização no Congresso Nacional nos dias 7 e 8 de agosto

População de Nova Floresta lamenta o falecimento do ex- vereador João Bolinha.