junho 18, 2009

Cássio promete disputar em 2010 (BLOG DO GEOVALDO)


Ele acorda às 7 horas, prepara o café e, mochila nas costa, caminha 12 minutos até a escola onde passa dia. Almoça entre professores em restaurantes de comida rápida em Cicinnatti. À tarde retorna, não raro, com dever de casa a cumprir, como numa imersão repentina na sua vida de estudante em Campina Grande, cidade que governou por três mandatos e, consagrado, dela saiu para administrar o estado por duas vezes. Sim estamos falando do ex-governador Cássio Cunha Lima, que conta, nesta entrevista exclusiva ao Blog do Geovaldo, sua rotina nos Estados Unidos. Não, não! Se o leitor espera que a conversa entre no varejo da política, tipo “quem apóia quem”, é melhor parar.

A abordagem é sobre a figura humana, suas conquistas, suas perdas, suas expectativas sobre o momento e o futuro. Ver-se-à um Cássio reflexivo, falando de sua vida pessoal, exaltando Silvia, sua mulher pela formação dos filhos,que dificilmente seguirão os passos do pai, enveredando pela carreira política. Mas, igualmente, um Cássio determinado, garantindo que estará no pleito de 2010 para se “submeter ao julgamento soberano do povo paraibano”, porque, como se autodenomina nesta própria entrevista, é e sempre será um determinado. A entrevista a seguir:

- Já está com inglês afiado? Além da língua, está se aprimorando mais em quê?

Cássio Cunha Lima - Completei o primeiro mês de aula esta semana. Pouco tempo ainda para quem tinha, como eu, apenas uma pequena base de inglês. A metodologia do curso é boa. Tenho aulas de segunda-feira a sábado , e creio que até o final terei melhorado bastante. Tenho, ainda, procurado conhecer o sistema de gestão dos americanos, com especial olhar para segurança publica. Em breve, após dominar melhor o inglês, pretendo fazer um estudo especifico sobre água e meio ambiente em uma das grandes universidades daqui.

- Como é seu dia-a-dia nos Estados Unidos ?

CCL - Acordo todos os dias às 7 horas. Preparo meu café no próprio quarto do hotel e saiu para a escola às 8:30 min. Vou caminhando. São 12 minutos de caminhada. Às 9 horas começa a aula que vai até às 16 horas , com um intervalo pela manhã e um outro a tarde. O almoço é na companhia dos professores em um dos inúmeros restaurantes de comida rápida existentes em Cincinnatti. A cidade é agradável e tranquila. Mas os sinais da crise são visíveis aqui. Muita gente pedindo dinheiro na rua , casas abandonadas e prédios invadidos nos bairros periféricos. Mas fico apenas na parte central da cidade que é absolutamente segura.

- Cássio, você desde a juventude, o destino lhe jogou nas mãos responsabilidades políticas. Deputado mais novo da Constituinte de 1986. De lá para cá inúmeros mandatos, inclusive duas vezes governador. Como é acordar hoje como um simples estudante?

CCL - Olha, tem sido maravilhoso voltar a viver como estudante. É tempo de aprendizado , amadurecimento e crescimento pessoal. Mochila nas costas , livros , cadernos e até dever de casa. Uma volta ao tempo. Renasce em meu coração sentimentos e emoções que estavam guardados ha muitos anos. Lembro-me do meu caminho da Solon de Lucena para o Regina Coeli . Recordo-me dos bons tempos do Colégio São Vicente de Paula no Rio. Vem forte a lembrança a época boa da universidade e o período inesquecível na nossa UEPb.

- A sua carreira política é exemplar. Sempre que disputou o voto teve a chancela popular. Isso tem um custo. Na sua vida pessoal, houve perdas em decorrência dessa trajetória?

CCL- As perdas na vida pessoal são sempre inevitáveis na minha atividade.Perdas com a família e a convivência com os verdadeiros amigos. Diogo, Marcela e Pedro são filhos maravilhosos. Mas não pude acompanhar o crescimento deles como desejava. É um déficit emocional profundo e irreparável. Silvia teve um papel fundamental na formação de cada um deles. Agradeço a Deus pelos filhos que tenho, pela família que possuo. Somos todos muito unidos, sentimos amor um pelo o outro e isso é para sempre.

- Na família Cunha Lima, a política é tradição. Na família Cássio, quando um herdeiro pisará no palco? E quem será ele; Pedro, Diogo ou Marcela?

CCL - Nenhum dos meus filhos demonstra interesse pela política partidária. São todos conscientes da importância da vida publica. Sempre foram absolutamente solidários com a minha luta e compreenderam minhas ausências. Mas a política vive um momento muito difícil que desestimula a maioria dos jovens dela participar. Diogo e Marcela já estão formados e trabalham em suas atividades privadas. Pedro curso Direito e estará assumindo no futuro o escritório que constitui.

- Você algumas vezes, desiludido com vicissitudes que o mundo político impõe, pensou em parar? Você já pensou em ativar, para a profissão, aquele jovem advogado formado na Universidade Estadual da Paraíba?

CCL - Parar a atividade publica não cogito neste instante. Em 2010 desejo ser submetido ao julgamento , sempre soberano , do povo da Paraíba. Quero introduzir o debate sobre a soberania do voto popular. Nossa democracia passa por uma grave ameaça com a atual judicialização das eleições. Não responsabilizo o Judiciário por isso, mas sim o Congresso Nacional que produziu uma legislação que retira da mão do povo o poder da decisão final. Este é um debate que o Brasil terá que enfrentar. A minoria não pode Governar numa democracia verdadeira.

- E quanto assumir o advogado que você é?

CCL - Neste período constitui uma sociedade com Harrison Targino, Luciano Pires e Jovino Neto e nosso escritório já esta funcionando.

- Hoje, do que você tem saudades no Brasil e o que mais te irrita no mundo político?

CCL - A saudade é um sentimento forte e inevitável. Irritações procuro não tê-las.

- Um dos pontos fortes de sua popularidade é a imagem jovial. O envelhecimento te preocupa?

CCL - Estou com 46 anos, em breve chegarei ao meio século de vida. Mas já vivi mais do que os meus 46 anos. Desde de muito cedo assumi responsabilidades. A vida me vez amadurecer muito precocemente. Com 20 anos já estava casado . Fui um dos Deputados Constituinte mais jovens do Brasil. Aos 25 anos de idade fui eleito prefeito de Campina Grande pela primeira vez. Aos 29 anos fui para a Sudene. Com 39 anos obtive a primeira das minhas quatro vitorias, dois turnos em 2002 e outros dois em 2006 , para o Governo do Estado. O passar dos anos não me assusta, ao contrario, tento me tornar uma pessoa cada vez melhor.

- Defina por você, quem é o cidadão Cássio Rodrigues da Cunha Lima .

CCL - A autoavaliacao é sempre muito difícil. Mas sempre fui , desde de adolescente , muito responsável com o que faço e comprometido com o que realizo. Levo a serio a minha atividade como homem público seguindo um dos maiores ensinamentos que recebi do meu pai Ronaldo Cunha Lima: " a política não se faz como negocio se faz como sacerdócio". Sou determinado, tenho capacidade de reação nas adversidades e mantenho vivo em meu coração sentimentos humanísticos que são fundamentais para a construção de um mundo melhor. Solidariedade é uma pratica da qual nunca me afastei. Tenho uma solida formação democrática , convivo bem com o contraditório e sei exercer a tolerância como instrumento fundamental de harmonização de uma sociedade cada vez mais plural. Mas a minha luta , a minha maior causa ,sempre foi em defesa dos que mais precisam. A estes dediquei a minha atividade como homem publico , seja como Deputado , Prefeito ou Governador. Em vários momentos paguei muito caro por esta opção. Mas dela jamais me afastarei. Acredito no que faço. Creio num tempo melhor...

Blog do Geovaldo

Nenhum comentário:

Postar um comentário