Senado aprova MP que tabela corpo humano

Os senadores aprovaram, na tarde desta quarta-feira (13), Projeto de Lei de Conversão (PLV) que modifica as regras do Seguro Obrigatório para Veículos Automotores, o DPVAT. O projeto, originado pela Medida Provisória 451/08, baixada pelo governo federal em dezembro do ano passado, transforma em lei tabela que define valores de indenizações a serem pagas às vítimas de acidentes de trânsito.
Pelo texto, que agora segue à sanção presidencial, a perda do dedo mínimo em um acidente de carro dá direito, por exemplo, a uma indenização de R$ 1.620. Já o encurtamento de uma das pernas implica indenização de R$ 810. O tabelamento do governo toma como base uma tabela utilizada pelas seguradoras que coordenam os recursos do DPVAT, constantemente questionada na Justiça pelos segurados.

O projeto aprovado no Senado tem outro ponto polêmico. O DPVAT arca com três tipos de ressarcimentos: indenizações por morte causada por acidente de trânsito, no valor de R$ 13,5 mil; por invalidez parcial ou total, no valor de até R$13,5 mil; e no valor de até R$ 2,7 mil para cobertura de gastos com atendimento médico hospitalar.

Até a edição da MP 451, os acidentados eram atendidos em hospitais particulares que, por meio de uma cessão de direitos, cobravam das seguradoras o atendimento médico hospitalar, com valor máximo de até R$ 2,7 mil.

A MP proibiu essa cessão de direitos o que causou revolta nos proprietários das unidades hospitalares. O texto aprovado no Senado manteve a proibição à cessão de direitos, mas abriu uma brecha para que o acidentado possa autorizar a cobrança do atendimento médico por meio de uma procuração.

A brecha é fruto de um acordo costurado entre o relator do projeto no Senado, Marconi Perillo (PSDB-GO), e a Superintendência de Seguros Privados (Susep), órgão encarregado de fiscalizar as seguradoras que fazem a gestão dos recursos do DPVAT.

A mudança foi celebrada pelos senadores que se diziam preocupados com as entidades hospitalares privadas. No entanto, a Federação Brasileira dos Hospitais (FHB) discorda. “Essa mudança não atende os hospitais privados e filantrópicos. Enquanto não soubermos quais serão os critérios impostos pela Susep para a liberação dessas procurações, continuaremos com problemas”, defende o superintende da Federação, Luiz Fernando Silva.

A Susep ficou encarregada de regulamentar os termos para aceitação dessas procurações, segundo acordo com Perillo.

A manutenção da tabela no texto da lei também foi criticada. ”Isso é uma desilusão. O governo e o Congresso estão aprovando uma medida que diz quanto vale o corpo humano”, protestou o presidente da Comissão de Advogados de Ações de Seguro do Brasil, André Cortes.

Ele promete articular na Ordem dos Advogados do Brasil uma Ação Direta de Inconstitucionalidade para questionar a lei do DPVAT na Justiça.

Imposto de Renda

Além de versar sobre o DPVAT, o projeto aprovado no Senado criou duas novas alíquotas para o Imposto de Renda. Com a mudança, serão quatro faixas de desconto: 7,5%, 15%, 22,5% e 27,5%. Quem recebe até R$ 1.434,59 está isento do recolhimento de IR na fonte. A mudança nas alíquotas implicou em uma renúncia fiscal de aproximadamente R$ 5 bilhões neste ano.


Do Congresso em Foco

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parlamento terá dia especial no Fórum Mundial da Água

CNM convoca gestores para mobilização no Congresso Nacional nos dias 7 e 8 de agosto

População de Nova Floresta lamenta o falecimento do ex- vereador João Bolinha.