Operação Feijoada: PTN denuncia Ricardo no MPF e MPE por improbidade administrativa



O PTN de João Pessoa recorreu na tarde desta quinta-feira (30) a Prefeitura de João Pessoa, nos Ministério Público Federal e Estadual, por crime de improbidade administrativa sobre o desperdício de 8 toneladas de feijão desperdiçados durante a campanha eleitoral de 2008, no caso que ficou conhecido como “Operação Feijoada”.

Nicola Lomonaco quer que o Ministério Público apure a responsabilidade do prefeito Ricardo Coutinho diante do desperdício de 8 toneladas jogadas no aterro sanitário de João Pessoa.

O escândalo do feijão como ficou conhecido à época, ganhou notoriedade na imprensa, que a partir de denúncia anônima, a prefeitura faria a distribuição do feijão por bairros da cidade durante a noite e resolveram montar vigilância, seguindo os caminhões da Emlur. A denúncia foi formulada à Polícia Federal. Na ocasião o delegado da PF, Derly Brasileiro, disse que não tinha estrutura nem viatura para checar o caso na madrugada. Fiscais da Propaganda da Justiça Eleitoral informaram que o caso não configuraria crime eleitoral e não foram ao local.


Agora o PTN quer a apuração de responsabilidade junto ao ministério público, já que o feijão seria destinado a pessoas carentes no município de João Pessoa. Para Nicola, “Isso é um desrespeito, uma falta de zelo pelo erário público e uma clara inabilidade para cuidar do bem comum público”.

O presidente do PTN disse que o prefeito Ricardo Coutinho não pode ficar isento de suas responsabilidade, pois pra Nicola, “Abrirem sindicância não o desobriga da responsabilidade de gestor público”.

Para o PTN, o caso apresentado não se pode ser configurado como ação eleitoral, e por isso foi apresentada denúncia junto ao Ministério Público Federal e Estadual, por se tratar de suposta improbidade administrativa. “Esse caso deve ser apurado com veemência pelos órgãos fiscalizadores” desabafou Nicola Lomonaco.


O representante do PTN lembra que na época o servidor da CONAB, Walter Bastos informou que a prefeitura de João Pessoa havia recebido 100 toneladas de feijão sem “atestar estado de calamidade pública” e “sem autorização do Conselho Estadual de Segurança Alimentar (PB)”.

Redação com Ascom

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parlamento terá dia especial no Fórum Mundial da Água

População de Nova Floresta lamenta o falecimento do ex- vereador João Bolinha.

TERMO DE DOAÇÃO