Temer é eleito presidente da Câmara e conduz apuração de cargos da Mesa

O deputado Michel Temer (PMDB-SP) foi eleito em primeiro turno nesta segunda-feira (2) pela terceira vez para a Presidência da Câmara dos Deputados. Ele obteve 304 votos contra 129 de Ciro Nogueira (PP-PI) e 76 de Aldo Rebelo (PC do B-SP). Ele foi eleito para o cargo em 1997 e em 1999, tendo sido presidente por quatro anos.

Temer formou uma ampla aliança com 14 partidos para chegar à Presidência, unindo partidos do governo e da oposição. Com sua vitória, o PMDB vai comandar as duas Casas, uma vez que José Sarney (PMDB-AP) foi eleito presidente do Senado.

Em seu discurso na sessão em que foi eleito, Temer defendeu que a Casa seja um centro de debates e traga soluções para a crise financeira. “Quero fazer da Casa centro de debates. A crise, que está nas nossas portas, vamos debatê-la aqui, usar a consultoria, trazer versados, debater, formular idéias para o país”.

O candidato defendeu ainda uma ampliação do serviço de comunicação da Casa pra acompanhar o trabalho dos deputados nos finais de semana. “Quero ampliar enormemente o nosso setor de comunicação, a TV Câmara estará na sexta e no sábado nos estados para transmitir o trabalho dos deputados. Muitas vezes se trabalha mais na sexta, no sábado e na segunda do que nos outros dias em Brasília”.

A eleição de Temer é o cumprimento de um acordo feito pelo PMDB com o PT ainda em 2007, para eleger Arlindo Chinaglia (PT-SP). Pelo acordo, caberia agora ao PMDB indicar o candidato para o cargo.

Temer é advogado e está no sexto mandato na Câmara dos Deputados. O presidente da Casa é o segundo na linha sucessório e substitui o presidente da República na ausência do presidente e do vice. Isso já aconteceu com o próprio Temer duas vezes nos anos de 1998 e 1999.

No Senado

José Sarney (PMDB-AP) é o novo presidente do Senado. Ele foi eleito por 49 votos contra 32 do senador Tião Viana (PT-AC) nesta segunda-feira, e vai substituir no cargo o senador pelo Rio Grande do Norte Garibaldi Alves, também do PMDB.

Aos 78 anos - faz 79 em abril -, Sarney vai comandar pela terceira vez o Senado - os mandatos anteriores foram entre 1995 e 1997 e entre 2003 e 2005. No cargo, Sarney vai administrar um contingente de 7,2 mil funcionários, entre efetivos e em cargo de confiança, e um orçamento anual de R$ 2,7 bilhões, superior ao da cidade de Porto Alegre. Ele apoiou um corte de 10% neste valor em um discurso antes da eleição.

A vitória de Sarney pode abalar a base aliada do governo. O senador rompeu um acordo entre o governo e o PMDB, que previa a troca de apoio nas eleições da Câmara e o Senado e que vinha da legislatura anterior.

Em 2007, o PMDB apoiou a candidatura de Arlindo Chinaglia (PT-SP) à presidência da Câmara em troca do apoio do partido na eleição de Garibaldi Alves (PMDB-RN) à presidência do Senado. Com a maior bancada na Câmara e no Senado, o partido resolveu não ceder a vaga pacificamente ao PT.

Neste domingo (1º), o ministro José Múcio (Relações Institucionais) relatou a preocupação do governo com a situação. Segundo ele, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria pedido “cautela” aos parlamentares aliados sobre o desenrolar da eleição, já que os partidos envolvidos na disputa tanto no Senado quanto na Câmara pertencem ao bloco de sustentação do governo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

População de Nova Floresta lamenta o falecimento do ex- vereador João Bolinha.

Parlamento terá dia especial no Fórum Mundial da Água

Wilson Santiago e Wilson Filho são recebidos por lideranças politicas em Ingá