Iraê reafirma intenção de Maranhão em enterrar TCM e acredita em paz entre governador e Arthur Cunha Lima


Recém-empossada na Secretaria de Articulação Governamental da Paraíba, a deputada estadual Iraê Lucena (PMDB) garantiu na manhã desta sexta-feira (20), em entrevista que o governador José Maranhão (PMDB) vai manter o compromisso de providenciar a extinção do Tribunal de Contas dos Municípios.


“Com certeza vamos revogar porque essa sempre foi uma bandeira da oposição ao governo Cássio e ela continuará de pé”, declarou Iraê Lucena. O TCM foi criado em 1994 e a base do governo Cássio defendeu sua instalação. A proposta causa reação negativa da oposição na época, bem como dos conselheiros do Tribunal de Contas do Estado, para quem seria desnecessária um novo Tribunal de Contas na Paraíba.


A nova secretária de Articulação Governamental disse que o atual presidente do TCE, conselheiro Nominando Diniz, anunciou que vai solicitar uma audiência com Maranhão para, entre outros assuntos, discutir o andamento do projeto de revogação do TCM, matéria que tramita na Assembléia. A bancada cassista chegou a acusar os maranhistas de trabalarem o retardamento da extinção do TCM para que o projeto possa ser usado por Maranhão.


Na entrevista, Iraê disse acreditar ainda que a relação entre o governador Maranhão e o atual presidente da Assembléia, Arthur Cunha Lima (PSDB), primo de Cássio, será pauta pela harmonia. “Acredito que o clima deve ser o melhor possível pois a Paraíba e os paraibanos não podem sofrer mais do que sofreram”, declarou.


Iraê disse ainda que já se reuniu com o líder da situação, Gervásio Filho (PDMB), para discutir as primeiras medidas adotadas pelo atual governador. Entre elas, a prioridade na recuperação de 26 hospitais instalados na Paraíba.

fonte pb agora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Parlamento terá dia especial no Fórum Mundial da Água

População de Nova Floresta lamenta o falecimento do ex- vereador João Bolinha.

Wilson Santiago e Wilson Filho são recebidos por lideranças politicas em Ingá