fevereiro 06, 2009

Iraê atribui acirramento na Assembléia ao processo de cassação de governador


Ao participar do programa Correio Debate nesta quinta-feira (5), a deputada Iraê Lucena (PMDB) afirmou que enquanto o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não julgar definitivamente o processo de cassação do governador Cássio Cunha Lima (PSDB) o clima entre oposição e situação, na Assembléia Legislativa, continuará acirrado.

Iraê Lucena, que debateu o assunto com o deputado da situação João Gonçalves (PSDB) durante o programa, disse não ter dúvida de que o trâmite do processo de cassação, no TSE, é o fator que provoca o acirramento entre a base aliada do governo e a bancada de oposição.

A deputada lamentou, sobretudo, que em decorrência do clima acirrado entre situação e oposição, a Assembléia Legislativa da Paraíba só tenha discutido e votado matérias do interesse do Governo.

Para Iraê, essa situação tem sido nociva ao desempenho do Poder Legislativo na medica em que os parlamentares deixam de votar matérias realmente importantes para o desenvolvimento do estado.

Iraê acrescentou que vive a expectativa de o quanto antes a Assembléia voltar aos seus melhores tempos, de debates produtivos e discussão de matérias de grande interesse público.

A certa altura do debate a parlamentar manifestou o desejo de participar da Comissão de Constituição e Justiça da Assembléia para provocar a tramitação de matérias importantes sugeridas pelos parlamentares e que estão engavetados em meio a essa situação em que prevalece a vontade do esquema governista.

Longe do povo - Iraê Lucena ainda criticou a construção do novo edifício-sede da Assembléia Legislativa prevista para o Altiplano, na área litorânea da cidade. Para ela, isso só vai afastar o povo do Poder Legislativo, que para acompanhar os trabalhos terá que se deslocar para um bairro muito distante da área central.

A deputada também observou que a mudança da Assembléia para o Altiplano vai descaracterizar um detalhe histórico: a Praça dos Três Poderes, como se convencionou a se chamar a Praça João Pessoa, onde ficam as sedes dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.

A situação - O deputado João Gonçalves (PSDB) discordou da deputada Iraê Lucena quanto a afirmação de que o Poder Legislativo só aprecia e vota matérias do interesse do Palácio da Redenção. Embora tenha dito concordar que há um acirramento nocivo entre oposição e situação, observou que a Assembléia tem votado matérias de interesse público.

João Gonçalves, que disputou a Prefeitura de João Pessoa na eleição passada, argumentou que os parlamentares têm dificuldades de apresentar matérias estruturantes porque estão impedidos de sugerir projetos que impliquem em gastos para o Estado, por força da Constituição que não os permite fazê-lo.

O deputado João Gonçalves acusou a oposição de estar contribuindo para o mau desempenho da Assembléia, na medida em que tem se ausentado do plenário da casa para não votar as matérias apresentadas pelo Governo.

João Gonçalves rebateu as declarações de Iraê Lucena quanto à transferência da Assembléia Para o Altiplano. Ele afirmou que atualmente a Assembléia tem oito anexos que funcionam em prédios alugados, situação que poderá ser resolvida com a construção do novo prédio no Altiplano.

O deputado acrescentou que a nova sede da Assembléia será construída a partir de um projeto ousado e futurista que vai atender a todas as necessidades do Poder Legislativo e resolver problemas atualmente impossíveis de serem senados no prédio atual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário