dezembro 07, 2008

Centenas de pessoas prestam homenagens a Crispim na Academia Paraibana de Letras

Centenas de pessoas, entre familiares, amigos e admiradores comparecem ao velório do advogado, jornalista e escritor Luiz Agusto Crispim. Ele está sendo velado na Academia Paraibana de Letras, Centro, local onde ocupava uma cadeira de ‘imortal’. O intelectual será sepultado às 16h, no Cemitério Parque das Acácias.

Crispim tinha 63 anos e há dois lutava contra um câncer de próstata. Crispim foi internado no Unimed no dia 28 de novembro último, apresentando um quadro de insuficiência respiratória. Desde então, a equipe médica que o atendia o submetia a fisioterapias diárias para melhorar o fluxo de oxigênio nos pulmões.

Apesar de apresentar melhoras no tratamento, Luiz Augusto Crispim não resistiu e faleceu às 19h43 de sábado (6), no Hospital da Unimed, em João Pessoa. De acordo com familiares, ele lutou até o final pela sua vida. Nas horas difíceis ele sempre tinha um sorriso no rosto e uma palavra de conforto para os que estavam preocupados com seu estado de saúde.


O escritor, o jornalista

Luiz Augusto da Franca Crispim nasceu em João Pessoa em 23 de agosto de 1945. Filho de Napoleão Crispim e Maria Tereza da Franca Crispim, casou-se com Adília Espínola da Franca Crispim, com quem teve dois filhos, Tereza e Luiz Augusto Filho. Graduou-se em Direito e em Língua e Literatura Francesa pela Universidade Federal da Paraíba, tendo em 2005 recebido o título de Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais também pela UFPB.

Desde a adolescência já demonstrava fascínio pelas letras, iniciando sua vida literária com o livro “Por uma Estética do Real”, livro de Ensaios, com foco na obra de João Cabral de Melo Neto e Euclides da Cunha, que lhe valeu o Prêmio Nacional do Ministério da Educação, por ocasião das comemorações do cinqüentenário de “Os Sertões”.

Sua carreira de jornalista iniciou como como estagiário do Jornal do Brasil, do Correio Braziliense e da Imprensa Oficial da Bahia e depois correspondente dos jornais Folha de S. Paulo e O Globo e das revistas Manchete e Visão.

Na Paraíba, além de Redator e Editor do CORREIO da Paraíba, foi Diretor de Redação do Jornal O Norte, Diretor Geral de A União e Diretor do Departamento Central de Divulgação da Secretaria de Divulgação e Turismo da Paraíba.

Recebeu em 1975 o Prêmio Esso de Jornalismo pela reportagem sobre os quinze anos da Sudene intitulada “Incentivos para uma Economia de Cordel”.

Crispim foi também assessor do Grupo Nove, de Recife, e Diretor de Marketing da editora Igramol.

Atuou também como comentarista da TV Correio e TV Record de João Pessoa e nos últimos cinco anos escrevia diariamente crônicas no CORREIO (do qual era também membro do Conselho de Notáveis) e Jornal do Comércio de Recife.

Cargos no poder público

Na estrutura de governo do Estado e da Prefeitura da Capital, entre outros cargos Luiz Augusto Crispim foi também Diretor Presidente da PBTur, Secretário de Estado da Comunicação Social, da Cultura, Esporte e Turismo da Paraíba, Procurador do Estado da Paraíba e Procurador Geral do Município de João Pessoa e Chefe da Casa Civil do Governador.

Professor da Faculdade de Direito da UFPB, da qual foi Vice-Diretor da Faculdade de Direito da UFPB, Crispim teve também intensa atuação na seccional paraibana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PB), da qual foi conselheiro e membro do Tribunal de Ética da entidade.

Prêmios e livros

Entre tantos prêmios conquistados por sua produção jornalística e literária, destacam-se, além do Prêmio Esso e Prêmio Euclides da Cunha, este conferido pelo Mec, Crispim foi ainda Menção Honrosa no Concurso de Monografias da UFPB sobre Euclides da Cunha, Menção Honrosa da Fundação Manuel Bandeira, de Campina Grande, por serviços prestados à Cultura Paraibana, Comenda do Quarto Centenário da Paraíba, do Mérito Literário da Academia Paraibana de Letras, Medalha do Pacificador, concedida pelo Ministério do Exército, Medalha do Mérito Cel. Elísio Sobreira da Polícia Militar do Estado da Paraíba e Medalha Epitácio Pessoa, concedida pela Assembléia Legislativa do Estado da Paraíba em reconhecimento aos serviços prestados à cultura brasileira.

Imortal da Academia Paraibana de Letras, que também presidiu, Crispim publicou vários livros, entre os quais Os Delitos da Glória, Por uma Estética do Real, O Arco e a Fonte, Poemas da Estação, Os Pecados da Tarde, As Artes da Paixão, Os Anéis da Serpente, O Herói sem Rosto, Histórias, Idas e Avenidas, A Longa Vigília, Estudos Preliminares de Direito, A Dama da Tarde, Reparos da Vida, Memorial da Pensão da Paz Dourada e, em preparo, o livro Fundamentos para uma Teoria do Direito Reativo

fonte:portal o correio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagem em destaque

Dezembro Vermelho

Ao longo deste mês, prédios públicos em todo o Brasil ficarão iluminados de vermelho para marcar a luta contra a aids. Além da iluminação, ...